segunda-feira, 7 de setembro de 2015

2ª CORRIDA RÚSTICA DE SÃO FRANCISCO DE ASSIS Data: 04 DE OUTUBRO DE 2015

2ª CORRIDA RÚSTICA DE SÃO FRANCISCO DE ASSIS
Data: 04 DE OUTUBRO DE 2015
HORÁRIO: 08:00Hs
INÍCIO: EM FRENTE À IGREJA CATÓLICA SÃO FRANCISCO D E ASSIS
LOCAL: BAIRRO SANTA MARIA II
CIDADE: BARRA MANSA R/J

PARA PARTICIPAR O INTERESSADO DEVERÁ IMPRIMIR A FICHA E PREENCHE-LA CORRETAMENTE POR COMPLETO.
OBS.: ENTREGAR ATÉ O DIA DO EVENTO ANTES DO INÍCIO DA CORRIDA


quinta-feira, 30 de abril de 2015

ROTEIRO HOMILÉTICO DO 5.º DOMINGO DA PÁSCOA – ANO B – BRANCO – 03.05.2015


 FONTE: http://www.buscandonovasaguas.com/
Páscoa 1505: "Eu sou a Videira"
A Liturgia nos fala da UNIDADE profunda
dos discípulos com o Ressuscitado,
através da imagem da VIDEIRA verdadeira.
Devem "permanecer" em comunhão de vida
com Cristo e com a comunidade.
Na 1a Leitura, PAULO narra a experiência vivida por ele,
para ser aceito na Comunidade. (At 9,26-31)
Três anos após a sua conversão, Paulo vai a Jerusalém
para se encontrar com Pedro e se integrar com a Comunidade.
Lá o antigo perseguidor encontrou um clima de medo e de desconfiança.
Mas ele não se decepcionou, nem se afastou da comunidade,
pelo contrário, "permaneceu" unido a Cristo e à Comunidade.
Cristianismo não é só um encontro pessoal com Jesus Cristo,
é também uma experiência de partilha da fé e do amor com os irmãos.
* Quem são os "Paulos", hoje?
- NÓS também, muitas vezes, podemos encontrar dificuldade
para permanecer em comunhão com os irmãos de nossa comunidade:
- Diante das contrariedades, somos tentados a abandonar tudo…
- Nenhum motivo nos deve levar a renunciar à unidade…
- Quantas pessoas são vistas com reservas ou desconfiança na Comunidade
e não encontram um "Barnabé" que acredite nelas!
- Sabemos acolhê-las com alegria e compreensão?
Na 2a Leitura, João ensina que a nossa fé
se manifesta através das obras de amor. (1Jo, 3,18-24)
Permanecendo unidos a Cristo, circulará também em nós a sua vida (seiva).
No Evangelho, Jesus afirma "Eu SOU a Videira Verdadeira". (Jo 15,1-8)
Essas palavras, numa ceia de despedida, representam o seu "Testamento".
- Na Bíblia, a imagem da "Vinha" é muito freqüente:
Israel era considerado uma vinha plantada pelo próprio Deus,
mas que não produziu os frutos esperados.
E Deus, o vinhateiro, foi obrigado a abandoná-la, permitiu que fosse destruída…
- JESUS se apresenta como a "Videira verdadeira",
capaz de produzir frutos que Israel não produziu.
Jesus é o tronco, nós somos os ramos e o Pai é o Agricultor.
Ele cuida da videira, poda os ramos para produzirem mais.
Os ramos secos ele corta e joga no fogo.
Para dar FRUTOS, os "Ramos" precisam de DUAS COISAS:
+ da Seiva da Videira, que é Cristo, pois "sem mim nada podeis fazer".
O texto fala 8 vezes em "permanecer em Cristo" e 7 vezes em "dar frutos".
Se não "permanecermos" unidos a Cristo, recebendo essa seiva,
nos tornaremos ramos secos e estéreis, que serão cortados e excluídos...
* Poderão ser eficazes os nossos trabalhos pastorais,
sem a seiva dessa videira e o contato com Jesus, através da oração?
+ da Poda : Quem não viu já a poda de um parreiral?...
As gotas até parecem lágrimas chorando de dor pela poda... dolorosa...
mas necessária... "para dar mais fruto".
- Sem a poda, poderá ter muita folha e pouco fruto...
Permanecer em Cristo significa também perseverar com ele na prova...
* Aceitamos as podas?
Quem são as tesouras?
- Deus, como trabalhador da vinha, se encarrega de fazer a poda.
A sua Palavra põe às claras as nossas limitações e falhas…
e PODA nosso egoísmo, o orgulho, a vaidade, a falsidade, a ganância...
- As pessoas afastadas: com críticas duras e ásperas contra a Igreja…
* Não poderiam se tornar uma poda salutar, ainda que muito dolorosa?
- As pessoas participantes: por motivos pessoais, também podem "podar"...
* Sabemos aceitar com humildade e tranqüilidade?
- Familiares: "Gostaria de atuar, mas o marido (ou esposa...) não deixa..."
+ Poderíamos resumir a mensagem de hoje em três Palavras:
Um Apelo: "Produzir frutos…"
Uma Condição: "Permanecer unido a ele". Para isso, precisa:
- Gastar tempo com ele. Nenhum trabalho, mesmo pastoral, justifica
o abandono do encontro pessoal com Cristo, na Oração.
Jesus nos adverte: "Sem mim NADA podeis fazer".
Devemos antes falar com Deus... para depois falar de Deus...
- Alimentar a nossa espiritualidade com esta "seiva divina",
que é a graça de Deus, na escuta da Palavra, na prática sacramental...
- Uma Advertência: Cristão que não "permanece" com ele não dá frutos.
Tornar-se-á então um "galho seco" que será cortado e jogado ao fogo...
Isso acontece com aqueles que se separam de Cristo
e da própria Comunidade
Hoje, Cristo continua produzindo frutos, que agradam ao Pai,
por meio dos cristãos de nossas comunidades,
que "permanecem" sempre unidos a Cristo.
Pe. Antônio Geraldo Dalla Costa - 03.05.2013

ROTEIRO HOMILÉETICO DO 5.° DOMINGO DA PÁSCOA – ANO B- BRANCO – 03 MAIO 2015

FONTE: Buscando Novas Águas

quarta-feira, 22 de abril de 2015

ROTEIRO HOMILÉTICO DO 4.° DOMINGO DA PÁSCOA – ANO B – CÔR BRANCA- 26.04.2015


ROTEIRO HOMILÉTICO DO 4.° DOMINGO DA PÁSCOA – ANO B – CÔR BRANCA- 26.04.2015

FONTE: BUSCANDO NOVAS ÁGUAS

Páscoa 1504:O Bom Pastor

 

O 4º domingo de Páscoa é conhecido como o Domingo

doBOM PASTOR,porque nele todos os anos,

Jesus é apresentado como o "Bom Pastor".

 

- No Antigo Testamento, essa imagem aparece com freqüência…

  Grandes personagens foram pastores (Abel… Moisés… Davi…)

Num país árido, a presença do pastor era vital para a ovelha sobreviver...

O pastor passava o dia todo com ela e estabeleciaprofunda identidade com ela. 

- O próprio Deus se compara a um Pastor,

que guia, defende e alimenta o seu povo (Sl 80).

- Quase todos os Reis de Israel foram "Maus pastores",

que conduziram o Povo por caminhos de morte e desgraça.

Por isso, o Senhor promete:

"Eu mesmo apascentarei as minhas ovelhas". (Ez 34,15)

 

A1ª Leituramostra o PRIMEIRO PASTORda jovem Comunidade:

Pedroresponde ao Sinédrio,que curou o aleijado:"em nome de Jesus Cristo, crucificado por vós, mas ressuscitado por Deus".(At 4,8-12)

Ele é o único Salvador, o "Pastor verdadeiro" que nos conduzà verdadeira vida.

 

O Salmista agradece porque a pedra rejeitada pelos construtores

tornou-se a pedra angula. (Sl 118)

 

Na 2ª Leitura, João afirma que somos todos FILHOS DE DEUS.

Mas essa filiação divina não é uma conquista nossa,

mas um dom do Deus que habita em nós. (1Jo 3,1-2)

 

NoEvangelho, Jesus afirma: "Eu sou o BOM PASTOR". (Jo 10,11-18)

 

É uma Catequese sobre a pessoa e a missão de Jesus:

conduzir o homem às pastagens verdejantes e às fontes cristalinas,

de onde brota a vida em plenitude.

 

O BOM PASTOR édiferente dos outros, por duas razões:

- Porque está disposto a DAR A VIDA pelas ovelhas que ama. (5 x)

O mercenário no perigo abandona as ovelhas e foge…

- Porque CONHECE suas ovelhas e é conhecido por elas…

Ele as chama pelo nome… e elas o seguem…

"Conhecer" é mais que um ato intelectual…é comunhão de vida...

É fruto do convívio e do diálogo, e gera o amor.

 

+ Quem são as ovelhas desse rebanho?

   São os que seguem a voz do Pastor.

   Mas não só os que participam da Igreja de modo organizado:

"Tenho ainda outras ovelhas que não são desse rebanho,

é preciso que eu as conduza. E elas ouvirão a minha voz.

E haverá um só rebanho e um só pastor".

 

* Esse apelo de unidade de Cristo nos pede:

- um zelo apostólico para cativaroutras ovelhas

que ainda não descobriram o amor apaixonado do Bom Pastor...

- um espírito de unidade: que vença as barreiras que nos separam...

  Ele não quer uma Igreja dividida em rebanhos separados...

  É um convite ao verdadeiro ecumenismo...

 

+ Quem é o nosso Pastor, que nos aponta caminhos e nos dá segurança?

 

-O Pastor por excelência é CRISTO.

- Pastores sãotambém o Papa, os Bispos, os padres...

- São também as pessoas que prestam um serviço

na família, na sociedade, no ambiente de trabalho...

- São também pessoas que receberam de Deus e da Igreja a missão

de presidir e animar, em nossas comunidades cristãs,

apesar das suas limitações.

  Cada um pode ser um pouco "Pastor" de seu irmão...

  Mas o "único Pastor", que devemos escutar e seguir sem condições, é Cristo.

  Os outros pastores têm uma missão válida se receberam de Cristo.

  E a sua atuação nunca pode ser diferente do jeito de atuar de Cristo.

 

+ Como Cristo exerce a Missão de Pastor?

Ele não atua por interesse pessoal como o mercenário, mas por amor:

Ele aponta caminhos, defende as suas ovelhas no momento de perigo,

mantém uma relação pessoal com cada uma,

conhece os seus sofrimentos, sonhos e esperanças.

 

* As Pastorais são serviços de Pastor nos diversos setores da Comunidade.

- Qual é o espírito com que atuamos?

Por amor ou preocupados em levar alguma vantagem, prestígio ou poder?

 

+ Como reconhecer o "Bom Pastor"?

Para distinguir a "voz" do "Bom Pastor" (ou falsos pastores)

é preciso um permanente diálogo íntimo com Cristo,

um confronto permanente com a sua Palavra

e a participação ativa nos sacramentos,

onde ele nos comunica essa vida, que o Pastor nos oferece.

 

* Jesus mostra o rosto bondoso de Deus e

os gestos de carinho e de acolhida do Bom Pastor.

   Sejamos continuadores dos gestos e das palavras do Bom Pastor,

que dá a vida por todos.

 

+ Nesse domingo, celebramos o Dia Mundial de Oração pelas Vocações.

- O próprio Jesus pediu:"Rogai ao dono da messepara que mande operários…"

- Opróprio PAPA envia hoje uma mensagem nesse sentido...

- Façamos já dessa celebraçãoum momento forte de oração pelas vocações…

 

Pe. Antônio Geraldo Dalla Costa - 26.04.2015

ROTEIRO HOMILÉTICO DO 4.° DOMINGO DA PÁSCOA – ANO B – CÔR BRANCA- 26.04.2015


quarta-feira, 8 de abril de 2015

ROTEIRO HOMILÉTICO DO DOMINGO DA PÁSCOA 2.º - ANO B - BRANCO - 2015/04/12




Estilo

ROTEIRO HOMILÉTICO DO 2.º DOMINGO DA PÁSCOA – ANO B – BRANCO – 12.04.2015

ROTEIRO HOMILÉTICO DO DOMINGO DA PÁSCOA 2.º - ANO B - BRANCO - 2015/04/12

Páscoa 1502: Um Comunidade

A liturgia de Hoje apresenta uma Comunidade Nova,
Que nasce da cruz e da Ressurreição de Jesus: a IGREJA ,
e nsa ConVida a viver a Fé em Cristo Ressuscitado
em Nossas comunidades .

A 1 a Leitura Mostra Que a PÁSCOA Acontece na vida da Comunidade. (At 4, 32-35)

Lucas descreve a Comunidade Cristã de Jerusalém,
Como Comunidade ideal, Modelo A Igreja e As Igrejas de Todas As épocas:
- E UMA Comunidade formada POR PESSOAS Diversas ,
Mas que Vivem uma MESMA Fé "num Só Coração e NUMA Só alma".
Da adesão a Jesus Resulta, obrigatoriamente, a Comunhão e
a União de Todos os "Irmãos" da Comunidade.
- OS E UMA Comunidade that Partilha de Bens .
Da Comunhão com Cristo e dos cristãos Entre si, resultam implicações Práticas:
Renúncia a um QUALQUÉR tipo de egoísmo, de auto-suficiência
e Uma Abertura de Coração Pará A Partilha, parágrafo o dom, parágrafo o amor.
"Tudo between they era posto em Comum, Entre enguias ninguem passava necessidade".
- Uma Comunidade Que o Senhor Ressuscitado Testemunha .
Viver de a Acordo com OS Valores de Jesus e A Melhor forma
de anunciar e de testemunhar Jesus Que ESTÁ vivo.

Resultado : - " O Fiéis ERAM Estimados POR todos ... e crescia Cada dia "
* Sera que daria Pará Dizer o MESMO de Nossas comunidades?

A 2ª Leitura Afirma Que a PÁSCOA Acontece when amamos a Deus
e pomos EM Prática OS SEUS mandamentos. (1Jo 5, 1-6)

O Evangelho Mostra Que a PÁSCOA continua acontecendo,
QUANDO TODOS OS SEUS enfrentam medos, partilhando na Comunidade
a Fé e como Experiências da vida. (Jo 20,19-31)

São DOIS ENCONTROS da nova Comunidade
com o Cristo Ressuscitado: Uma sem Tomé eA Outra com Tomé.
E UMA catequese Sobre a Presença de Jesus,
Que continua vivo e Ressuscitado, acompanhando a SUA Igreja:

+ Os Apóstolos estao Reunidos, mas "trancados "e
   dominados Pela incredulidade, Pela tristeza e medo cabelo.

* Hoje muitos Vivem, de "Portas trancadas". Dominados Pelo medo e
   Pela insegurança, aguardam POR Melhores dias de Justiça e de paz.
   O Ressuscitado derruba como trancas e restaura a PAZ EA alegria:
   "A PAZ esteja com VOCÊS" (3x).

+ Iniciá Uma nova Criação :
   "Jesus soprou Sobre enguias ", Como Deus na Criação do Homem (Gen 2,7)
    e acrescentou: "Recebei o Espírito Santo".
   Com o dom do Espírito Santo, o Senhor Ressuscitado Iniciá hum Mundo Novo
   e com o envio dos Discípulos se inaugura Um Novo Israel,
   Que CRE em Cristo e Testemunha A Verdade da Ressurreição.

+ Institui a Penitência : " Aqueles a quem de perdoardes OS Pecados,
   Serao perdoados; Quem um OS retiverdes, ficarão retidos ".
   * Uma vez perdoados ... são enviados a Perdoar em Nome de Deus.
   E hum Sacramento Tipicamente Pascal: Nascido num clima de alegria
   e de vitória. 

+ Confia a Missão : " Como o Pai me enviou, eu vos envio ASSIM ... "
   Continua Acreditando Neles ... Conta com enguias ... apesar de Tudo ...
   * Na MISSÃO , He also Conta Conosco, apesar de Tudo ...

+ No 1º Dia da Semana (UO de Um Novo Tempo), apos a Morte e Ressurreição.
   Com Esse dia Primeiro, comeca o "Dia do Senhor ", o DOMINGO ...
   * O Que significa Pará rápido Você o Domingo? E de Fato o "Dia do Senhor"?

+ Jesus està no "Centro" da Comunidade ,
   Onde Todos Vão beber ESSA vida Que lhes permite vencer o "medo"
   eA hostilidade do Mundo. E um Videira Ao Redor da qua se enxertam OS ramos ...
 
 + TOMÉ incrédulo na Promessa de Cristo e na Palavra Colegas DOS.
   E Protótipo dos that NÃO valorizam o Testemunho Comunitário
   e Exemplo dos Que Querem Ser Cristão sem Igreja.

+ Como se Chega de Feem Cristo Ressuscitado?
A Comunidade E o lugar singular Onde se manifes e IRRADIA o amor de Jesus.  
Longe da Comunidade, Tomé NÃO acreditou na Palavra de Jesus, NEM dos Colegas.
Sua Fé se reacendeu, Quando não "Dia do Senhor" voltou à Comunidade
e fez hum belo ato de Fé: "Meu Deus e meu Senhor".
- E Cristo acrescentou: " Felizes OS Que acreditam sem ter visto ... "

* Tomé repre aqueles Que Vivem, afastados da Comunidade,
   sem perceber OS Sinais de vida Que Nela se manifestam.

- Esse Episódio E UMA alusão clara Ao Domingo ...
Lembra como celebrações dominicais da Comunidade primitiva e
A Nossa Experiência pascal Que se renova Cada domingo ...
A Comunidade Renovada na Páscoa do Senhor
Torna-se "Um Só Coração e Uma Só Alma".
Nas mesas da Fraternidade, da Palavra e da Eucaristia,
Nos tornamos com He Um Só Corpo e Uma Só Alma.

* O Que significa Pará VOCE uma Eucaristia Dominical?

A DIVINA MISERICÓRDIA , that Hoje celebramos
E garantia e Força Para O Desempenho de Nossa Missão.

                                      Pe. Antônio Geraldo Dalla Costa - 2015/04/12

quarta-feira, 25 de março de 2015

REUNIÃO DO TERÇO DOS HOMENS


ROTEIRO HOMILÉTICO DO DOMINGO DE RAMOS E DA PAIXÃO DO SENHOR – ANO B – VERMELHO – 29.03.2015

ROTEIRO HOMILÉTICO DO DOMINGO DE RAMOS E DA PAIXÃO DO SENHOR – ANO B – VERMELHO – 29.03.2015


ROTEIRO HOMILÉTICO DO DOMINGO DE RAMOS E DA PAIXÃO DO SENHOR – ANO B – VERMELHO – 29.03.2015

Ramos1501: Hosana e Cruz

Com o Domingo de Ramos começamos a Semana Santa. Somos convidados a contemplar o grande amor de Deus,
que desceu ao nosso encontro, partilhou a nossa humanidade, fez-se homem, deixou-se matar pela nossa salvação.
É uma oportunidade para reviver os mistérios centrais da Redenção.

A Liturgia lembra DOIS FATOS:

- A Entrada Triunfal de Jesus em Jerusalém montado num jumento.
  O povo o reconhece como Salvador e o aclama alegre... (Jo 12,12-16)
- O Começo da Semana Santa,
  com a leitura da Paixão de Jesus Cristo, segundo São Marcos... (Mc 14,1-15,47)
  * Dois momentos da vida de Cristo: O Triunfo e a Humilhação...

Ao longo dessa Semana Santa, teremos a oportunidade de ler
as 4 narrativas da Paixão de Jesus Cristo.
Desejo aprofundar aspectos específicos da narrativa de São Marcos.
É a primeira, a mais antiga (± 65 dC) : a mais breve e dramática...
É a que mantém uma ordem cronológica mais exata...

+ Introdução: Marcos introduz com duas referências à CEIA:
- A ceia de Betânia, na casa de Simão, na qual Jesus é ungido por uma mulher.
  O gesto generoso da Mulher contrasta com a atitude egoísta e traidora de Judas.
- A Ceia Pascal com os discípulos.

1. Jesus mantém um SILÊNCIO solene e digno,
    aceitando o caminho da cruz.
Não reage diante do beijo de Judas e ao gesto violento de Pedro.
É a atitude de quem sabe que o Pai lhe confiou uma missão e
está decidido a cumprir essa missão, custe o que custar.
- No tribunal, quando acusado, Jesus manteve silêncio.
Mas quando perguntado se era o Messias, reponde prontamente:
"Sim, eu sou", e só. Durante o processo: nenhuma palavra.

2. Jesus é o FILHO DE DEUS, que veio ao encontro dos homens
    para lhes apresentar uma proposta de Salvação.
É o que Jesus responde ao Sumo Sacerdote: "Eu sou"
e o que o Centurião afirma aos pés da cruz:
 "Verdadeiramente esse homem era Filho de Deus".
É o ponto culminante da narrativa de Marcos,
que no seu evangelho procura responder: "Quem é Jesus?"
A resposta (a descoberta) não foi feita por um apóstolo,
nem mesmo por um discípulo, mas por um pagão.

3. Jesus é também HOMEM
    e partilha da fragilidade e debilidade da natureza humana:
No Jardim, antes de ser preso, "começa a sentir grande pavor e angústia".
Mostra-nos um Jesus muito humano... muito próximo de nossas fraquezas.
4. Sublinha a Solidão de Cristo: Abandonado pelos discípulos,
escarnecido pela multidão, condenado pelos líderes,
torturado pelos soldados, Jesus percorre na solidão, no abandono,
na indiferença de todos o seu caminho de morte.
Só Marcos faz questão de sublinhar que Jesus se sentiu completamente só, abandonado por todos, até pelo Pai:
"Meu Deus, meu Deus, por que me abandonaste?"

5. Fato curioso: Um jovem o seguia, coberto somente de um lençol.
Quando os soldados tentaram agarrá-lo, livrou-se da roupa e fugiu despido.
É possível que esse jovem fosse o próprio Marcos.
Foi a atitude dos discípulos que, desiludidos e amedrontados, largaram tudo, quando viram o seu líder ser preso e fugiram sem olhar para trás.

6. Atitude "corajosa" de José de Arimatéia
    em pedir à autoridade, que o condenou, a autorização para sepultar Jesus .

7. "ABBA": Pai:
    Essa palavra somente Marcos a coloca nos lábios de Jesus,
    exatamente na hora mais dramática da sua vida....

9. Mulheres seguem, servem e sobem com ele a Jerusalém...
    Marcos salienta a presença das mulheres que seguem e servem Jesus
    desde a Galiléia e sobem com ele a Jerusalém, até o pé da cruz.

    * Elas são o modelo para os outros discípulos que tinham fugido.

Os RAMOS, que carregamos com alegria e entusiasmo na procissão e
que levamos com devoção para nossas casas, são o sinal de um povo,
que aclama o seu Rei e o reconhece como Senhor que salva e liberta.
Devem ser o Sinal do compromisso
de quem deseja viver intensamente essa Semana Santa.

- Não basta apenas aclamar o Cristo em momentos de entusiasmo e
depois crucificá-lo na rotina de todos os dias.
- Que o Lava-pés nos motive a limpar o coração com a água purificadora
da Penitência e a nos pôr a serviço dos irmãos.
- Que a Ceia do Senhor nos faça valorizar a presença permanente de Cristo
em nosso meio na Eucaristia e seja o alimento constante em nossa caminhada.
- Que o Getsêmani nos anime a fazer a vontade do Pai,
mesmo pelos caminhos do sofrimento e da cruz.
- Que o Túmulo silencioso seja o nosso "deserto"
para escutar mais forte a voz de Deus e
um estímulo para remover todas as pedras que mantém ainda trancado
o Cristo dentro do túmulo do nosso coração.
- Que a Vigília Pascal reanime nossa Esperança nas promessas do Senhor, enquanto aguardamos a sua vinda.

- Assim esta Semana será realmente santa e a PÁSCOA acontecerá em nós.
  Cristo realmente venceu as trevas do pecado e da morte. Aleluia!
                                        Pe. Antônio Geraldo Dalla Costa - 29.03.2015

quarta-feira, 18 de março de 2015

AGENDA PASTORAL DIOCESANA 2015

DIOCESE DE BARRA DO PIRAI - VOLTA REDONDA

ROTEIRO HOMILÉTICO DO 5.º DOMINGO DA QUARESMA – ROXO – ANO B – 22.03.2015

ROTEIRO HOMILÉTICO DO 5.º DOMINGO DA QUARESMA – ROXO – ANO B – 22.03.2015

Q1505: "Se o grão morrer"

A Liturgia desse domingo deseja preparar os cristãos
para os acontecimentos da Páscoa, que se aproxima:
a Paixão, Morte e Ressurreição de Cristo.

As leituras bíblicas nos ajudam neste sentido...

Na 1a Leitura Deus propõe uma NOVA ALIANÇA. (Jr 31, 31-34)

É um dos trechos mais importantes do Antigo Testamento.
Deus tinha feito uma ALIANÇA no Sinai,
entregando a Moisés mandamentos escritos em pedra...
O povo aderiu à aliança, contudo mais com a boca, do que com o coração.
O povo nunca interiorizou devidamente e muitas vezes foi infiel... 
Por isso, o profeta Jeremias anunciou uma NOVA ALIANÇA,
cujos mandamentos serão gravados no coração:
"Porei minha lei em sua alma, escreverei em seu coração.
Então eu serei seu Deus e ele será meu Povo".
A Aliança é renovada pelo Senhor, que perdoa e restaura.

* Nós também somos Povo da Nova Aliança,
cujos mandamentos devem estar inscritos em nosso coração.
A Quaresma é o tempo de renovação da Aliança, iniciada no Batismo e
rompida tantas vezes pela nossa fraqueza e infidelidade.

A 2ª Leitura afirma que essa nova Aliança, plena e definitiva,
se realiza em Jesus Cristo, em perfeita obediência ao Pai. (Hb 5,7-9)

O Evangelho nos convida a olhar Jesus, que selou a Nova Aliança
com o próprio sangue na Cruz. (Jo 12,20-33)

- Um grupo de gregos, que estavam em Jerusalém para celebrar a Páscoa,
  pedem: "Queremos ver Jesus!" , isto é, conhecê-lo em profundidade.
- Não se dirigem diretamente a Jesus, mas aos discípulos.
  Servem-se de dois mediadores: Felipe e André…

- Jesus SE FAZ VER através de uma imagem: o GRÃO de TRIGO.
   A sua "glória" passa pela experiência do grão:
   "Se o grão, que cai na terra, morre, produzirá muito fruto".

   A fecundidade da vida se manifesta na morte.
   Jesus vai morrer e nascerá a Igreja universal...
   Assim foi para Jesus, assim será para cada um de nós.

  Para conhecer Jesus:
- Devem MORRER as seguranças humanas, o apego à própria vida
   e à sabedoria humana (que os gregos valorizavam tanto)...
- Deve MORRER tudo o que nos afasta do projeto de Jesus,
  que veio para que todos tenham vida em abundância.
  * Precisamos morrer para conhecer.
+ A Quaresma é tempo de renovação da Aliança
   iniciada em nosso Batismo
   e rompida muitas vezes por nossa fraqueza e infidelidade.

O caminho da renovação foi traçado por Cristo: a CRUZ.
"Quando eu for elevado da terra (na cruz), atrairei todos a mim."
É o caminho para todo o discipulado...

+ "Queremos ver Jesus"

Esse pedido dos gregos é uma linda proposta de vida para todos nós.
É anseio de todos nós. Todos nós queremos ver Jesus.
O Documento de Aparecida nos lembra que "o início do cristianismo
é um encontro de fé com a pessoa de Jesus Cristo" (DA 243).
"A própria natureza do cristianismo consiste em reconhecer a presença
de Jesus Cristo e segui-lo" (244).

Mas onde, quando, como encontrá-lo?
O Documento mostra uns lugares de encontro com Jesus Cristo:
- "O encontro com Cristo realiza-se na fé recebida e vivida na IGREJA". (246)
- Encontramos Jesus na SAGRADA ESCRITURA, lida na Igreja...
É indispensável o conhecimento profundo e vivencial da Palavra de Deus" (347).
- Encontramos Jesus Cristo na SAGRADA LITURGIA... a Eucaristia é
o lugar privilegiado do encontro do Discípulo com Jesus Cristo" (250-251).
A celebração eucarística dominical é uma necessidade interior do cristão,
da família cristã e da comunidade paroquial" (252).
- O sacramento da Reconciliação é o encontro com o Cristo que perdoa (254).
- A ORAÇÃO pessoal e comunitária cultiva a amizade com Cristo (255).
- "Jesus está presente em meio a uma COMUNIDADE viva
   na fé e no amor fraterno" (256).
- Também o encontramos nos pobres, aflitos e enfermos... (257).
- "Encontramos também na Piedade popular..." (258)

"Queremos ver Jesus" significa acolher a sua pessoa com alegria,
por ser o centro e a motivação mais forte da própria existência,
e a garantia que não se apaga.

+ "Senhor, queremos ver Jesus!"

Faze, Senhor, que teus discípulos reconheçam
o teu rosto no rosto dos pobres.
Dá olhos para ver os caminhos da justiça e da solidariedade;
dá ouvidos para escutar os pedidos de salvação e saúde;
enriquece seus corações de fidelidade generosa e compreensão
para que se façam companheiros de caminhada e
testemunhas verdadeiros e sinceros da glória,
que resplandece no crucificado, ressuscitado e vitorioso.


                                  Pe. Antônio Geraldo Dalla Costa - 22-03.2015

ROTEIRO HOMILÉTICO DO 5.º DOMINGO DA QUARESMA – ROXO – ANO B – 22.03.2015

terça-feira, 17 de março de 2015

AGENDA PASTORAL DIOCESANA 2015 - MARÇO E ABRIL


Obs.: A MISSA DOS SANTOS ÓLEOS, CADA REGIONAL DIVULGARÁ O LOCAL.

A REGIONAL BARRA MANSA SERÁ EM PORTO REAL NO GINÁSIO POLIESPORTIVO



quarta-feira, 11 de março de 2015

ROTEIRO HOMILÉTICO DO 4.º DOMINGO DA QUARESMA – ANO B – ROXO – 15.03.2015

ROTEIRO HOMILÉTICO DO 4.º DOMINGO DA QUARESMA – ANO B – ROXO – 15.03.2015
Fonte: http://www.buscandonovasaguas.com/

 Q1504: Juiz ou Salvador?

A Quaresma é um tempo oportuno para purificar idéias
e atitudes de nossa vida cristã. Muitas vezes somos levados
a ter de Deus a imagem de um juiz severo e castigador...
Será essa a verdadeira imagem de Deus que devemos ter?

A Bíblia tem uma imagem bem diferente:
- Um Deus Criador e Amigo... que dialoga com Adão...
- Um Deus que faz uma Aliança de amizade com o seu povo...
- Um Deus-conosco ("Emanuel")... que caminha com o povo...
- Um Deus que liberta... e salva...
- Um Deus misericordioso, que perdoa...
- Um Deus Pai... sempre disposto a acolher o filho pródigo...
  O castigo é um remédio extremo para que se arrependa e volte à amizade.

A 1a leitura revela a Justiça e a Misericórdia de Deus
no tempo do exílio e da libertação.  (2Cr 36,14-16.19-23)

É um resumo da História da Salvação, em três momentos:
O Pecado do homem, o Castigo e o Perdão de Deus.
O Povo foi infiel à Aliança. Por isso, Jerusalém foi destruída e
sua elite foi deportada para a Babilônia.
Mas Deus não abandona o povo, apesar das infidelidades. 
O povo arrependido voltou seu coração para Deus e
Deus o conduziu de volta à sua terra.
Deus é mais misericórdia, do que justiça...
 
Na 2a Leitura Paulo afirma: "Deus é rico em misericórdia...
deu-nos a vida juntamente com Cristo,
quando estávamos mortos por causa de nossas faltas." (Ef 2,4-10).

A Salvação é um dom de Deus: a salvação, presente de Deus,
chega a nós mediante a fé em, por e com Cristo...

No Evangelho, Jesus se revela como Salvador e não Juiz.
A missão de Cristo no mundo e na história é salvar e não condenar. (Jo 3,14-23).

É a conclusão do diálogo de Jesus com NICODEMOS,
que nas  "trevas da noite", vem falar com Jesus à procura de "Luz".
No final, descreve o projeto de Salvação de Deus:
"Deus amou tanto o mundo que lhe deu o seu próprio filho e
este não veio para julgar o mundo, mas para salvá-lo".

No deserto, os hebreus olhavam para a serpente
levantada por Moisés como sinal de cura e libertação.
Faz lembrar a cruz onde foi levantado o Filho do homem.
Da Cruz de Jesus brota a vida e a saúde para toda a terra.
Ao olhar com fé para esse sinal, ficamos curados...
O texto nos convida a contemplar uma História maravilhosa:
O Amor de Deus oferece ao homem vida plena e definitva.
Aos homens compete aceitar ou não o dom de Deus.
Jesus não veio condenar e excluir ninguém da salvação.
Ele é a luz divina enviada ao mundo para mostrar
o caminho da verdade e da vida que conduz a Deus.
As pessoas podem rejeitar Jesus e sua missão,
permanecendo nas trevas do egoísmo, rejeitando Jesus e sua missão;
ou então aceitar Jesus e seguir seu projeto,
deixando-se envolver pela luz da fé e da salvação.

João define o caminho para chegar à vida eterna:
CRER EM JESUS:
- Não é uma mera adesão intelectual a umas verdades
  mas acolher JESUS enviado pelo amor do Pai para salvar os homens.
- É escutar Jesus, acolher a sua mensagem e segui-lo nesse caminho.
- É deixar as trevas e caminhar para a Luz… É aceitar essa Luz...
  Isso supõe desfazer-se de muitos projetos pessoais.

E o julgamento final como fica?
Muitos imaginam um Deus severo,
que vai analisar tudo com rigor até os mínimos detalhes.
Seria então Ele um Pai, que ama os bons e os maus, como ensinou Jesus?

- Segundo João, o julgamento não é pronunciado por Deus,
  mas pela escolha que cada um faz diante da Luz de Cristo.
 "Quem nele crê, não é condenado.
  Mas quem não crê, já está condenado...
  A Luz veio ao mundo, mas os homens preferiram as trevas."

Por isso, a decisão no julgamento:
- não é propriamente Deus que faz... somos nós que escolhemos...
- não é apenas no fim do mundo, mas é aqui e agora.
Cada instante da vida é tempo de salvação ou de condenação...

Salvam-se os que praticam a Verdade e se aproximam da "Luz".
Condenam-se os que praticam o mal e preferem as "trevas".
A salvação é um dom gratuito de Deus oferecido a todos...
Tudo depende da nossa aceitação ou não à proposta de Cristo.

O Evangelho fala do amor de Deus
que chega ao ponto de dar o seu próprio Filho
e insiste também na responsabilidade do homem,
que deve fazer uma escolha diante dessa proposta de amor.
Cristo quer ser o nosso Salvador, não o nosso Juiz...

Qual será a nossa escolha? Preferimos a Luz ou as Trevas?


                                   Pe. Antônio Geraldo Dalla Costa - 15-03.2015

ROTEIRO HOMILÉTICO DO 4.º DOMINGO DA QUARESMA – ANO B – ROXO – 15.03.2015


terça-feira, 3 de março de 2015

ROTEIRO HOMILÉTICO DO 3.º DOMINGO DA QUARESMA – ANO B – ROXO – 08.03.2015

ROTEIRO HOMILÉTICO DO 3.º DOMINGO DA QUARESMA – ANO B – ROXO – 08.03.2015

ROTEIRO HOMILÉTICO DO 3.º DOMINGO DA QUARESMA – ANO B – ROXO – 08.03.2015

Q1503: A Lei e o Templo

Em nossas casas, costumamos limpar todos os dias.
Assim mesmo, de vez em quando sentimos a necessidade
de uma limpeza geral... lavamos as paredes... o teto...
os vidros... para tirar o mofo que foi se acumulando...
A Quaresma também é um tempo de purificação
propício para renovar nossa vida cristã e purificar o nosso coração
daquelas impurezas que foram se acumulando ao longo do tempo.

As leituras bíblicas tratam de dois pontos fundamentais da religião judaica:
a Lei de Deus e o Templo, que, com o passar do tempo,
também estavam precisando de uma purificação...
Cristo se apresenta como a nova Lei e o novo Templo.

Na 1a Leitura Deus entrega a LEI, num contexto de êxodo e de Páscoa,
como parte de uma Aliança. (Ex 20,1-17)

- É um momento fundamental na história da Salvação.
  Deus se apresenta desde o começo como Libertador:
  "Eu sou o Senhor teu Deus que te tirou da escravidão do Egito"
  Os 10 mandamentos brotavam do amor de um Deus "Libertador",
  que depois de ter libertado seu povo da escravidão material do Egito,  
  queria libertá-lo também da escravidão moral das paixões e do pecado.
- Deus não deu as leis do Decálogo para serem um atentado
  contra a liberdade humana.   Pelo contrário, para os homens sejam livres
  e   respeitem a liberdade dos outros.
- Os Mandamentos indicavam o caminho seguro para ser feliz e
  ser o Povo da Aliança, colaborador de Deus no Plano da Salvação…
- Mas Israel não foi fiel a esse compromisso:
  muitos abusos e desvios esvaziaram o verdadeiro sentido do decálogo…
- Era necessário restaurar a antiga Lei, completá-la, aperfeiçoá-la…
  sobretudo no sentido do amor e da interioridade…
  libertando-a de todo formalismo.
  Precisava uma Nova Aliança, uma NOVA LEI. É o que Cristo veio realizar:
  "Não vim suprimir a Lei… mas completar, aperfeiçoar…"

Na 2ª Leitura, Paulo afirma que seu projeto de Salvação
passa pela morte na cruz:
"Nós pregamos Cristo crucificado, escândalo para os judeus e
loucura para os gentios" (1Cor 1,22-25)
A Cruz de Cristo pode parecer loucura e sinal de fraqueza.
Todavia, Deus transformou a cruz em sabedoria e caminho de salvação.

No Evangelho, Jesus se apresenta como o NOVO TEMPLO(Jo 2,13-25)

O Templo era um lugar muito sagrado para os judeus.   
Todo judeu devia ir ao templo ao menos uma vez por ano
para oferecer um sacrifício a Deus. 
Estas ofertas para os sacrifícios faziam girar muito dinheiro...
e provocavam abusos e exploração.
O gesto ousado de Cristo não é apenas zelo de purificação do templo.
É anúncio da abolição do velho templo e do culto aí celebrado.
O antigo templo já tinha concluído a sua função.
Surgirá um novo templo, não construído de pedras e por mãos humanas,
mas o "lugar da Presença" viva de Deus: JESUS CRISTO.

Passamos do templo de pedra (projeto de Davi e realizado por Salomão)
ao Templo sonhado pelos profetas (fonte de vida e luz para todos os povos),
para chegar ao Senhor ressuscitado, o templo verdadeiro
em quem Deus manifesta a sua glória em favor de todos os homens.
Caminhamos todos para um "templo definitivo", que se identifica
com o mundo inteiro, quando esse se converte em casa do Pai,
isto é, a casa onde todos os homens se reconhecem irmãos.

Jesus nos convida a sermos templo no qual está presente Deus
e nele se oferece um verdadeiro culto em espírito e verdade..

Qual o Templo que devemos purificar?
- Nosso coração deve ser um sinal de Deus para os irmãos.
- Nossas comunidades devem dar testemunho da vida de Deus.
- A Igreja deve ser essa "Casa de Deus" onde as pessoas podem encontrar
   a proposta de libertação e de Salvação que Deus oferece a todos.
- O "Culto", que Deus aprecia, deve ser uma vida
   vivida na escuta de suas propostas e traduzida em gestos concretos
  de doação, de entrega, de serviço simples e humilde aos irmãos.
- Jesus purificou o templo de seus profanadores e
   nos convida a purificar também o templo de nosso coração.

* Qual a nossa atitude diante da Lei de Deus?
   É uma cerca que nos prende ou um caminho seguro para uma vida feliz?
* Qual o respeito que temos na casa de Deus... (antes, durante, depois…)
   - Se Cristo voltasse hoje às nossas igrejas… o que aconteceria?
     A quem deveria expulsar com o chicote?

A Campanha da Fraternidade nos lembra outro templo sagrado,
também profanado pela ganância dos "vendilhões" de hoje.
A Pessoa humana é esse lugar sagrado,
onde Deus quer ser respeitado e servido…

Essa celebração deve nos levar a refletir sobre o ESPÍRITO
com que vivemos a nossa religião:
diante da Lei de Deus, nas práticas religiosas de nossa religião
e no respeito à pessoa humana !…

Só assim o nosso culto será realmente agradável a Deus!

                                                                Pe. Antônio Geraldo Dalla Costa - 08.03.2015