quarta-feira, 29 de outubro de 2014

Formação paroquial para Ministros Extraordinários da Palavra

27/10/14: PASSOS NA PREPARAÇÃO DE UMA HOMILIA.

ASSESSOR: Pe RAFAEL DUQUE

Formação paroquial para Ministros Extraordinários da Palavra

ASSESSOR: Pe RAFAEL DUQUE

20/10/14: OUVIR A PALAVRA DE DEUS E LIGAR A REALIDADE SACRAMENTAL.

ROTEIRO HOMILÉTICO DO 31.º DOMINGO – COMEMORAÇÃO DE TODOS OS FIÉIS DEFUNTOS

OFÍCIO PRÓPRIO (EM TODAS AS HORAS)
ROXO ou PRETO. MISSAS (três) prs.: Pf dos Defuntos.
Leituras prs.: à escolha no Lecionário (Volume I, p. 1051 ss.) ou no Ritual das Exéquias.


ROTEIRO HOMILÉTICO DO 31.º DOMINGO – COMEMORAÇÃO DE TODOS OS FIÉIS DEFUNTOS

OFÍCIO PRÓPRIO (EM TODAS AS HORAS)
ROXO ou PRETO. MISSAS (três) prs.: Pf dos Defuntos.
Leituras prs.: à escolha no Lecionário (Volume I, p. 1051 ss.) ou no Ritual das Exéquias.

Comum1430: Finados

Celebramos hoje o Dia de Finados,
impregnado de um profundo sentimento religioso,
no qual se unem afeto e recordações familiares
com a fé e esperança cristãs.
Por esse motivo suscita sempre um profundo eco no povo de Deus.

É uma oportunidade especial para rezar mais pelos nossos mortos e
lembrar a alegre verdade sobre a qual está fundada a nossa fé:
a RESSURREIÇÃO.

1. Celebramos a vida, não a morte
A religião cristã não celebra o culto à morte, mas à vida.
Assim o ressalta a liturgia da palavra de hoje com suas muitas leituras.
Todo o conjunto nos fala de ressurreição e vida;
e a referência onipresente é a Ressurreição de Cristo,
da qual participa o cristão pela fé e pelos sacramentos.
  - Por isso, este dia não é uma comemoração para a tristeza,
provocando saudade dos seres queridos que já nos deixaram,
mas uma recordação cheia de esperança que expressa e continua
a Comunhão dos Santos, que celebramos no dia de ontem.
Pois "a fé oferece a possibilidade de uma comunhão
com nossos queridos irmãos já falecidos, dando-nos a esperança
de que já possuem em Deus a vida verdadeira". (GS 18,2)

2. Lembramos nosso destino futuro:
A Visão cristã da morte dá o verdadeiro valor da vida humana.  
O discípulo de Cristo identifica a vida futura na qual crê e espera,
com um ser vivo, pessoal e amigo que é o Deus de nosso Senhor Jesus Cristo,
e de cuja vida participará agora e continuará gozando em seu destino futuro. Instruídos pela palavra de Deus, cremos que:
"O Homem foi criado por Deus para um fim feliz,
além dos limites da miséria terrestre...
Deus chamou e chama o homem para que ele dê sua adesão a Deus
na comunhão perpétua da incorruptível vida divina.
Cristo conseguiu esta vitória, por sua morte,
libertando o homem da morte e ressuscitando para a vida.
Para qualquer homem que reflete, a fé lhe dá uma resposta
à sua angústia sobre a sorte futura". (GS 18,2)

+ Cristo é a Raiz da esperança cristã: Estaremos sempre com o Senhor.
Jesus é a razão última do nosso viver, morrer e esperar como cristão.
Uma vez que Ele se fez igual a nós em tudo,
passou também pelo transe da morte para alcançar a Vida perene.
Esse é o itinerário que o discípulo deve percorrer.

+ Cristo é vida e ressurreição para aquele que nele crê.
Tudo vem confirmar a afirmação do próprio Jesus na ressurreição de Lázaro:
"Eu sou a ressurreição e a vida. Quem crê em mim, mesmo que morra, viverá;
 e aquele que vive e crê em mim, não morrerá para sempre".  (Jo 11,25-26).
Assim, diante da morte de nossos entes queridos, não devemos pensar
numa perda irreparável, mas no destino esperançoso ao qual Deus nos chama: "Vou preparar-lhes um lugar, para que onde eu estiver,
  estejam vocês também". (Jo 14,3).

As LEITURAS sugeridas para o dia de hoje são muitas e variadas.
Todas comunicam a alegria de quem recebe do alto a luz da Páscoa,
que ilumina cada sepultura. Fixemo-nos nessas três:

Na 1ª Leitura, o Profeta afirma que Deus criou o homem para a VIDA. (Is 25,6-9)

A morte será destruída para sempre. O profeta descreve a morte,
como a entrada numa festa preparada por Deus para todos os povos.
Na vinda do Messias toda situação de morte será transformada:
O Senhor "enxugará as lágrimas de todas as faces".
Existirá apenas alegria, felicidade. Será a festa, o Banquete do Reino.

Na 2ª Leitura, São Paulo, diante da incerteza de nossa salvação futura,
afirma que a nossa esperança não se baseia em nossas obras,
mas no amor incondicional de Deus, que nos amou e
entregou por nós seu Filho à morte, quando ainda éramos seus inimigos.
Quanto mais nos amará agora que fomos justificados. (Rm 11,25-30)

No Evangelho, Jesus nos convida a vigiar,
"pois não sabeis qual será o dia, nem a hora". (Mt 25,1-13)

A visita aos cemitérios não deve se reduzir em levar flores aos túmulos,
ou acender velas. Convém rezar pelos nossos mortos. É a melhor flor.
A Bíblia garante: "É santo e piedoso costume rezar pelos mortos" (2Mc 12,45)
Cemintério significa dormitório. É o lugar de repouso, de descanso.
Quem está sepultado ali, está como que dormindo,
aguardando o dia de se levantar, para ressuscitar.
CEMITÉRIO significa também hospedaria.
Hospedaria é um albergue à beira do caminho, onde o peregrino
passa algumas horas, ou uma noite, para depois continuar a viagem.
O Cemitério é a hospedaria onde ficamos por um espaço de tempo,
até o dia da Ressurreição.
 
Que o dia de hoje reforce a nossa esperança cristã e
nos leve a proclamar com firmeza o artigo de fé do Credo:
"Creio na ressurreição dos mortos e na vida que há de vir"


                                                                 Pe. Antônio Geraldo Dalla Costa - 02.11.2014

CONVITE DE ANIVERSÁRIO DO TERÇO DOS HOMENS



segunda-feira, 27 de outubro de 2014

ROTEIRO HOMILÉTICO SOLENIDADE DE TODOS OS SANTOS – ANO A – BRANCO – 01.11.2014


ROTEIRO HOMILÉTICO SOLENIDADE DE TODOS OS SANTOS – ANO A – BRANCO – 01.11.2014
MISSA pr: GL, CR, Pf próprio
LEITURAS prs: Ap 7, 2-4. 9-14 // SL 23(24), 1-2. 3-4ab. 5-6 (R/.cf.6) // 1Jo 3,1-3 // Mt 5,1-12a. (Bem-aventuranças)

C1430st: "Sede Santos!..."

Celebramos hoje a festa de TODOS OS SANTOS.
O Objetivo dessa festa é homenagear Todos os Santos (conhecidos ou não...) e apresentar o Ideal da Santidade,
 como possível hoje e como desejado por Deus:
"Esta é a vontade de Deus a vossa Santificação" (1 Tess 4,3)

As Leituras nos revelam o projeto de Deus:
tornar o homem participante de sua santidade:

A 1ª Leitura nos abre uma visão sobre o nosso futuro:
A vitória do Cordeiro transformou o caminho de morte
em caminho de vida para todos aqueles que o seguem. São numerosos e doravante participam do seu triunfo, numa festa eterna. (Ap 7, 2-4.9-14)

A 2ª Leitura recorda que a vida divina
já está presente em nós desde agora. (1Jo 5,1-3)

No Evangelho, Cristo nos aponta o "caminho" da Santidade,
com as Bem-aventuranças (Mt 5,1-12a) :
- Os que têm um coração de pobre: despidos da vaidade e ambição...
- Os que choram: são sensíveis à dor dos irmãos...
- Os mansos...
- Os que têm fome e sede de justiça...
- Os misericordiosos...
- Os construtores da paz...
- Os que têm um coração puro...
- Os que são perseguidos por causa da justiça e dos valores do Reino.

+ Celebramos hoje o maravilhoso mundo da Santidade.

- Mundo imenso, onde os santos são inumeráveis,
  como nos diz a 1ª Leitura. (144 mil: 12 x 12 x 1000 = uma multidão)
- Mundo maravilhoso, onde muitos destes santos são nossos parentes,
  nossos amigos, gente grande e crianças que conhecemos.
- Mundo feliz realizando-se no mundo de trabalho e de sofrimento,
  de sonhos e realizações.
- Mundo de portas abertas, que cresce sem parar,
  porque cada dia que passa vê chegar novos eleitos.

O Mundo dos Santos não é estranho para nós.
É um mundo feito de gente como nós, que, nas limitações humanas,
lutaram e venceram, viveram o evangelho de Jesus,
e serviram os irmãos nesta terra e continuam a servir por sua intercessão no céu.
Por isso somos convidados participar deste mundo desde agora.

+ Quem são os santos?

- No princípio, a Bíblia reservou esse nome só a Deus: "Só Deus é santo".
- Jesus Cristo irradia a Santidade de Deus e
  transmite a Santidade à Igreja, por meio dos Sacramentos...
- Na Igreja primitiva: Santos são os que participam da Santidade de Deus...
  Por isso, santos eram todos os cristãos...
- Hoje, a Igreja nos diz que todos os homens têm uma vocação à santidade:
  "Os cristãos de qualquer condição e estado são chamados pelo Senhor,
    cada um por seu caminho, à perfeição da santidade pela qual é perfeito
    o próprio Pai. Todos os cristãos são chamados à plenitude da vida
    cristã e à perfeição da caridade.” (Concílio Vat. II)

Portanto, SANTOS não são apenas pessoas privilegiadas já mortas,
que viveram no passado longe do mundo...
- Santos não são apenas os que foram declarados santos pela Igreja e
são honrados hoje em nossos altares...
- Santos são também muitos "desconhecidos", que viveram o ideal da santidade e muitas pessoas de hoje que andam no "caminho" de Deus...
- Santos... podemos e devemos ser também nós...

+ Por que essa Celebração?
  Para erigir um monumento ao "santo desconhecido"?...
- Não, é uma oportunidade para celebrar a "Comunhão dos santos".
  Essa comunhão espiritual de bens entre todos os fiéis que constituem                             
  a Igreja na sua etapa peregrina, purificante e triunfante.
- Hoje a Igreja peregrina se alegra unida à Igreja triunfante no céu,
  como afirma o Prefácio da missa:
  "Festejamos hoje a cidade do céu, onde nossos irmãos, os santos,
   vos cercam e cantam eternamente o vosso louvor ".
- Hoje celebramos a santidade de Deus, que resplandece
  nos membros de seu povo, nos filhos da Igreja.

+ Por que culto e devoção aos Santos?
- Como o povo da antiga aliança estava em comunhão com os patriarcas e
  profetas, unidos na herança comum das promessas messiânicas,
  assim o novo povo de Deus, que é a Igreja, vive em união com Jesus Cristo,
  a virgem Maria, os apóstolos, os mártires e os santos.

- Esse culto e devoção não tem nada de mágico ou supersticioso,
  pois é culto e louvor a Deus, porque a sua glória resplandece nos santos.
  Assim eles se constituem para nós modelos e intercessores.

+ A festa de hoje é um apelo à Santidade,
   como um dom que o Pai nos concede,
   com a proposta desafiadora de Jesus:
   "Sede santos, como o Pai é santo!"

Acolhamos o apelo de Deus à Santidade:
A santidade ainda hoje é possível e desejada por Deus...
E todos nós somos chamados a ela...
                                   Pe. Antônio Geraldo Dalla Costa - 01.11.2014

SOLENIDADE DE TODOS OS SANTOS – ANO A – BRANCO – 01.11.2014

sexta-feira, 24 de outubro de 2014

ROTEIRO HOMILÉTICO DO 30.° DOMINGO DO TEMPO COMUM – ANO A – VERDE – 26 DE OUTUBRO 2014



Comum1430: O Maior Mandamento

A Liturgia focaliza a mensagem principal  que devemos anunciar e testemunhar: o maior Mandamento da LEI: o AMOR.

A 1a Leitura afirma que o maior Mandamento é o Amor
concretizado através da defesa dos mais necessitados e desprotegidos:
Estrangeiros (migrantes), viúvas, órfãos, endividados, pobres.
Deus exige a Israel a misericórdia, hospitalidade e a compaixão. (Ex 22,20-26)

* Já no Antigo Testamento, o Amor ao próximo era visto em relação a Deus, como respeito à sua lei e como reflexo do seu amor para com os homens... Mas é, sobretudo, no Novo Testamento que é iluminado e aperfeiçoado pela doutrina de Jesus, como se pode ver no Evangelho de hoje.

Na 2ª leitura, Paulo destaca o exemplo de Amor  vivido pelos cristãos de Tessalônica. Tornou-se semente de fé e amor, que deu frutos em outras comunidades. (1Ts, 5c-10)

No Evangelho, Jesus resume toda a LEI no Amor: Amor a Deus e aos irmãos. (Mt 22,34-40)

Segue o confronto de Jesus com as lideranças judaicas.  Os fariseus apresentam armadilhas bem montadas, destinadas a provocar afirmações polêmicas de Jesus, para poder acusá-lo e condená-lo.

- Os fariseus perguntam: "Qual é o maior dos mandamentos?"
Era uma questão muito polêmica entre os líderes religiosos daquele tempo. Alguns afirmavam que o maior de todos os mandamentos era guardar o sábado. Outros diziam que todos os mandamentos tinham o mesmo valor. Ademais os judeus tinham 613 mandamentos (a maioria proibições).  Era um grande emaranhado de preceitos e prescrições. Muita gente hoje tem dificuldade em recordar de cor os 10 mandamentos.
Imaginem a dificuldade para lembrar e cumprir todas essas normas. 

Jesus responde, buscando fundamentação em duas passagens da Bíblia:
- Deuteronômio: "Amarás o Senhor teu Deus com todas..." (Dt 6,5)
- Levítico: "Amarás teu próximo como a ti mesmo..." (Lv 19,18)

Esses dois mandamentos já eram conhecidos,  mas a originalidade deste ensinamento está em dois pontos:  - Define o Amor a Deus e ao irmão como o centro essencial da Lei; - Unifica e equipara os dois mandamentos: "O segundo é semelhante a esse".
Portanto, não são dois mandamentos diversos, mas duas faces da mesma moeda.

* Para Jesus, os dois amores (a Deus e ao Próximo) possuem igual importância,  pois são a raiz de todos os demais mandamentos.    A Lei e os Profetas são apenas comentários a estes dois mandamentos.

   O amor a Deus é fonte de serviço ao próximo e o amor ao próximo  deve ser expressão concreta do nosso grande amor a Deus...

* Esses dois mandamentos são a expressão maior da vontade de Deus.  São o resumo de toda a Bíblia...

O que esse Evangelho tem a nos dizer, hoje?
Ao longo dos dois mil anos de cristianismo fomos criando muitos mandamentos, preceitos, proibições, exigências, opiniões, pecados e virtudes, que arrastamos pesadamente pela história. E acabamos perdendo a noção do que é verdadeiramente importante. Hoje, ficamos discutindo certas questões secundárias, sem discernir muitas vezes o essencial da proposta de Jesus.

O Evangelho deste domingo é claro: o essencial é o amor a Deus e o amor aos irmãos.
Para o cristão, o Amor é fundamental, porque Deus é amor e ama o homem, e o homem é um ser criado para amar. Talvez tenhamos de remover muito lixo acumulado com o tempo, que nos impede de compreender, de viver, de anunciar e de testemunhar o cerne da proposta de Jesus.

O AMOR A DEUS nós manifestamos quando nos mantemos na Escuta de sua Palavra e na disposição de cumprir a sua vontade.

* Esforço-me, de fato, em escutar as propostas de Deus, mantendo um diálogo pessoal com Ele, procurando refletir e interiorizar a sua Palavra, tentando interpretar os sinais com que Ele me interpela na vida de cada dia?  - Tenho o coração aberto ou fechado às suas propostas?  - Procuro ser uma testemunha profética de Deus e do seu Reino?

O AMOR AOS IRMÃOS nós manifestamos ao dar atenção às pessoas que encontramos pelos caminhos da vida,  ao sentir-nos solidários com as alegrias e sofrimentos de cada pessoa, ao partilhar as desilusões e esperanças do próximo,  ao fazer da nossa vida um dom total a todos. O mundo, em que vivemos, precisa redescobrir o amor, a solidariedade, o serviço, a partilha, o dom da vida…

Nossa Assembléia, convocada pelo amor do Pai, realiza ao mesmo tempo o duplo mandamento (os dois amores). Unidos na caridade fraterna nos dirigimos ao Pai como filhos...

Estamos no último domingo do mês missionário... Vivendo intensamente esses dois amores (a Deus e ao Próximo),  crescerá também em nós um novo "Ardor Missionário".
                  

                                     Pe. Antônio Geraldo Dalla Costa - 26.10.2014

ROTEIRO DO HOMILÉTICO 30 ° DOMINGO DO TEMPO COMUM - ANO A - VERDE - 26 DE OUTUBRO 2014

sábado, 18 de outubro de 2014

COMUNIDADE SÃO FRANCISCO DE ASSIS CELEBRA NA FESTA DE SÃO LUCAS

PARÓQUIA SANTO ANTÔNIO DE PÁDUA – BARRA MANSA
DIOCESE DE BARRA DO PIRAI – VOLTA REDONDA
No último dia do “Tríduo” por ocasião da Festa do Padroeiro da comunidade São Lucas no Bairro Colônia Santo Antônio, tivemos a grata satisfação de celebrarmos com nossa comunidade irmã no dia 17 de outubro, dia de Santo Inácio de Antioquia.
São Lucas. Rogai por nós!

Parabéns a todos da comunidade São Lucas!


CONVITE: INICIAÇÃO À VIDA CRISTÃ

               Na Comunidade São Francisco de Assis – Paróquia Santo Antônio de Pádua, os interessados/as devem procura por Sônia Germano para melhores esclarecimentos e inscrições!

              É uma proposta pautada no caminho do Rito da Iniciação Cristã de Adultos (RICA), e foram aprovadas pela Assembleia Diocesana nos dias 09 e 10 de novembro de 2013 e tem valor para todas as comunidades da nossa Diocese de Barra do Pirai – Volta Redonda.

quinta-feira, 16 de outubro de 2014

Roteiro homilético do 29.º Domingo do Tempo Comum – ano a - Verde



Fonte: http://www.buscandonovasaguas.com/

Roteiro homilético do 29.º Domingo do Tempo Comum – ano a - Verde



Roteiro homilético do 29.º Domingo do Tempo Comum – ano a - Verde
Fonte: http://www.buscandonovasaguas.com/
Comum1429: Deus e César

O Cristão é um cidadão como todos os outros:
desfruta dos mesmos direitos e tem os mesmos deveres.
E os impostos, ele é obrigado a pagar?
As Leituras nos dão uma resposta...

Na 1aLeitura, um rei pagão foi "instrumentos de Deus" 
para libertar o seu povo da escravidão da Babilônia. (Is 45,1.4-6)

Ciro, Rei da Pérsia, foi um excelente comandante e político iluminado. Conquistou todos os impérios do oriente, inclusive a Babilônia.
No ano 538, depois de conquistar a Babilônia,
permitiu os judeus voltarem à própria terra e
começarem a reconstruir o templo e a cidade de Jerusalém.
O profeta chama o rei pagão de "ungido do Senhor".
Ciro torna-se instrumento de Deus, mesmo sem o conhecer,
sem mesmo ser membro do povo da Aliança.

* O texto sugere que Deus é o verdadeiro "Senhor da História"
e que é ele quem conduz a caminhada do seu Povo.
Deus pode se servir de qualquer pessoa para realizar seus projetos.
Pode se servir de dirigentes até sem religião, desde que sejam
competentes, honestos e saibam promover o bem-estar e a paz.
- O contrário também pode acontecer:
Nem toda pessoa "religiosa" e bem intencionada
tem a necessária competência para uma função pública.

Na 2ª Leitura, Paulo louva o Senhor, porque a Comunidade de Tessalônica abraçou com entusiasmo o Evangelho, e pela ação do Espírito Santo,
deu frutos de fé, de amor e de esperança. (1Tes 1,1-5b)
É a carta mais antiga de São Paulo.

No Evangelho, Jesus responde a uma pergunta política. (Mt 22,34-40)

Discípulos dos fariseus e herodianos, favoráveis ao poder romano, fazem
uma pergunta capciosa: "É permitido ou não pagar o TRIBUTO a César?"

- Se dissesse SIM: apareceria como colaborador da dominação romana.
  Se dissesse NÃO: seria denunciado às autoridades romanas como subversivo.
- Jesus percebe a armadilha. Pede uma moeda e pergunta:
  "De quem é essa imagem?

  "Dai pois a César o que é de César..."

   e acrescenta: "...e a Deus o que é de Deus"

+ "Dar a César o que é de César e a Deus o que é de Deus":
"Dar" significa aqui "devolver" a cada um o que lhe pertence.
Não deve dar a César o que não lhe pertence: a ADORAÇÃO,
devida unicamente a Deus (não aos imperadores...).
* Jesus não nega o pagamento do tributo imperial.
O amor a Deus não tira as obrigações para com a nação.
Mas questiona a pretensão de César de se nivelar a Deus e
exigir dos súbditos culto só devido a Deus.
A resposta reduzia César às suas devidas dimensões.

+ Um Perigo: Tirar o lugar de Deus.
- Uns reconhecem a autoridade do império,
  por isso servem aos interesses dele, pagando o imposto;
- Outros querem reconhecer a autoridade de Deus,
  mas deixam de lado o que é de Deus.
  O dinheiro, o poder, o êxito, a realização profissional, a ascensão social,
  o clube de futebol… podem tomar o lugar de Deus e
  passam a dirigir e a condicionar a vida de muitas pessoas.

* Deus é, de fato, nosso único "Senhor", a quem servimos?

+ Conclusões da resposta de Jesus:

- "Dar a César..." (a imagem de César)
O Cristão tem obrigações com a Sociedade em que vive.
Nenhum país funciona se a população não der a César o que é de César...
O cristão deve ser um bom cidadão.
É uma obrigação moral, além de civil, contribuir para o bem comum
com o pagamento de impostos justos.

- "Dar a Deus" (o homem foi criado à "imagem" de Deus)
Por isso, seus direitos e sua dignidade devem ser respeitados por todos.
Nós somos o "seu Povo", que não pode ser vendido a nenhum César.
Se tiramos de Deus o que lhe pertence, devemos "devolver".
Só Deus é o "Senhor" de nossa vida...

- Dar à Comunidade cristã (devemos ser membro vivo e atuante...)

- Participar na Vida e Ação Evangelizadora e Missionária da Igreja...
  A Igreja no Brasil nos pede que todos devemos:
    "EVANGELIZAR, a partir de Jesus Cristo e na força do Espírito Santo,
    como Igreja discípula, missionária e profética,
    alimentada pela Palavra de Deus e pela Eucaristia,
    à luz da evangélica opção preferencial pelos pobres,
    para que todos tenham vida, rumo ao Reino definitivo". (DGAE)

- Colaborar pela sua manutenção, com o Dízimo...
  A Bíblia fala e condena os que "sonegam" o tributo do templo...

+ Estamos, de fato, dando a César o que é de César e a Deus o que é de Deus?
   Não podemos "sonegar" o nosso tributo
   nem a Deus, nem à Nação, nem à Comunidade...

                                      Pe. Antônio Geraldo Dalla Costa - 19.10.2014

terça-feira, 14 de outubro de 2014

Formação paroquial para Ministros Extraordinários da Palavra

Diocese de Barra do Pirai – Volta Redonda
Paróquia Santo Antônio de Pádua – Barra Mansa

TEMA DO MÊS de OUTUBRO / 2014: HOMILÉTICA

TEMA DO 11.º ENCONTRO : O QUE É HOMILIA?
DIA 13/10/2014
HORÁRIO: 19:30Hs – 21:00Hs
LOCAL: SALÃO DA IGREJA PAROQUIAL – BAIRRO SAUDADE
ASSESSOR: Padre: RAPHAEL GUIMARÃES DUQUE

 HOMILÉTICA 2



Formação paroquial para Ministros Extraordinários da Palavra

Diocese de Barra do Pirai – Volta Redonda
Paróquia Santo Antônio de Pádua – Barra Mansa

TEMA DO MÊS de OUTUBRO / 2014: HOMILÉTICA

TEMA DO 11.º ENCONTRO : O QUE É HOMILIA?
DIA 13/10/2014
HORÁRIO: 19:30Hs – 21:00Hs
LOCAL: SALÃO DA IGREJA PAROQUIAL – BAIRRO SAUDADE

ASSESSOR: Padre: RAPHAEL GUIMARÃES DUQUE

sexta-feira, 10 de outubro de 2014

ROTEIRO HOMILÉTICO DE 28.º DOMINGO ANO A – NOSSA SENHORA APARECIDA PADROEIRA DO BRASIL

ROTEIRO HOMILÉTICO DE 28.º DOMINGO ANO A –  NOSSA SENHORA APARECIDA PADROEIRA DO BRASIL
(BRANCO, GLÓRIA, CREIO, PREFÁCIO PRÓPRIO – OFÍCIO DA SOLENIDADE)

Comum 0828: Aparecida


Celebramos hoje em todo o Brasil a solenidade
de Nossa Senhora Aparecida, Padroeira do Brasil.

A devoção a Nossa Senhora Aparecida, uma das principais expressões da piedade do povo brasileiro,
teve início em 1717, com três humildes pescadores.
Lançaram por muito tempo as redes no Rio Paraíba sem êxito.
No entanto, após ter encontrado em dois lances de rede o corpo e a cabeça
de uma imagem da Imaculada Conceição – a pesca foi abundante.
Os pescadores viram naquela imagem, apanhada nas redes,
um sinal de que não estavam sozinhos, nem desamparados.

A pequena imagem de terracota e de cor negra foi levada para a casa de um deles
e aí, então, passou a ser venerada  com o título de Nossa Senhora da Conceição Aparecida, porque foi achada (aparecida) nas águas do Rio Paraíba.

Aos poucos, as pessoas foram se reunindo ao redor daquela imagem para rezar e agradecer e, cada dia que passava, mais aumentava o número de fiéis devotos, tornando, então, necessário dar inicio a construção, em 1846, de uma igreja maior, inaugurada em 1888 e que hoje é conhecida como a Basílica Velha.

O número de romeiros continuava a aumentar, exigindo um templo ainda maior. Em 1955 iniciou-se, então, a construção do Santuário atual,
que está ainda em fase de acabamento.

Ela quis escolher essa terra para derramar as bênçãos de Deus
sobre o Brasil e o povo devoto que vai lá para venerar
a milagrosa imagem e para proclamar seus louvores e graças. 

A 1ª Leitura nos fala de Ester, uma jovem judia, que intercede
junto ao Rei pela VIDA do seu Povo. (Est 5,1b-2;7,2b-3)

A 2ª Leitura nos fala de uma "Mulher" que "apareceu" no céu. (Ap 12, 1.5.13ª.15-16ª)

* Essa "Mulher" simboliza o Povo de Deus, a Comunidade.
   No texto, representa a Comunidade-Noiva de Deus.
   E Maria aparece aqui como símbolo da Igreja nascente.

No Evangelho, Maria nos ensina que o melhor caminho
é "fazer sempre o que Jesus mandar" (Jo 2,1-11)

Jesus inicia a vida pública, participando num banquete de bodas
em Caná da Galiléia, com sua mãe e os discípulos.  
Durante a festa, Maria percebe que o vinho está acabando e
a festa corre o perigo de ser interrompida para vexame dos noivos.
Maria intercede e fala discretamente ao Filho: "Eles não têm mais vinho".
E dá aos serventes uma orientação: "Fazei o que Ele vos disser".
Os serventes cumprem a orientação de Maria e, a pedido de Jesus,
enchem as seis talhas de água.
"E a tímida água viu o seu Senhor e corou..."

A Mensagem da Aparecida:
A Mãe de Deus se manifestou de maneira simples,
sem fato espetacular, sem mensagem especial.
Mas, há uma mensagem bem clara, que brota da própria imagem e
do contexto histórico em que ela apareceu no rio Paraíba.

1. NOSSA SENHORA APARECIDA NOS OFERECE JESUS:
a imagem pequenina é uma escultura da Imaculada Conceição. Ela está grávida, porque a missão de Maria é oferecer-nos Jesus, fruto bendito do seu ventre.
2. NOSSA SENHORA APARECIDA NOS UNE A JESUS:
a cabeça vem separada do corpo. Como Maria é imagem da Igreja,
tal separação representa simbolicamente o Povo de Deus, como corpo
e o próprio Cristo, como Cabeça de uma nova humanidade.
É preciso unir corpo e cabeça para que o povo se torne Corpo místico de Cristo.
3. NOSSA SENHORA APARECIDA NOS CHAMA A SER IGREJA:
foi pescada e colocada dentro duma Barca, símbolo evangélico da Igreja de Jesus. Ela nos convida a viver dentro da Igreja, como participantes fiéis e ativos.
4. NOSSA SENHORA APARECIDA NOS CONVIDA À ORAÇÃO:
tem as mãos postas em oração, revelando seu papel de intercessora
junto a Deus por nós e convidando-nos a nos unir a ela em oração.
5. NOSSA SENHORA APARECIDA BROTA DAS ÁGUAS:
a água é elemento de vida e de purificação. Ela nos lembra a importância do
nosso batismo como novo nascimento e da confissão, como purificação e perdão.
6. NOSSA SENHORA APARECIDA É SOLIDÁRIA COM OS POBRES:
Deixa-se pescar por três pescadores pobres e trabalhadores.
E as casas desses pobres tornam-se o primeiro templo de Nossa Senhora Aparecida.
7. NOSSA SENHORA APARECIDA É SOLIDÁRIA COM OS NEGROS:
a cor negra da imagem traduz a solidariedade de Maria com a raça negra,
tão injustamente escravizada. Sua cor denuncia o pecado do preconceito racial
e anuncia a esperança de libertação.
8. NOSSA SENHORA APARECIDA É O SORRISO DE DEUS PARA NÓS:
os lábios da imagem estão entreabertos num doce sorriso. É um sorriso de bondade maternal, que alimenta nossa confiança na misericórdia de Deus para conosco.
         Que Maria proteja com maternal proteção todas as CRIANÇAS,
para que evitem todos os perigos desse mundo violento
e possam descobrir os verdadeiros valores da vida.


                                             Pe. Antônio Geraldo Dalla Costa - 12.10.2014

ROTEIRO HOMILÉTICO DE 28.º DOMINGO ANO A – NOSSA SENHORA APARECIDA PADROEIRA DO BRASIL

(BRANCO, GLÓRIA, CREIO, PREFÁCIO PRÓPRIO – OFÍCIO DA SOLENIDADE)

segunda-feira, 6 de outubro de 2014

FORMAÇÃO PAROQUIAL PARA MINISTROS EXTRAORDINÁRIO DA PALAVRA

10°. ENCONTRO
TEMA DO MÊS: HOMILÉTICA
TEMA DO DIA: ORATÓRIA
ASSESSOR: PADRE RAPHAEL GUIMARÃES DUQUE
 DIOCESE DE BARRA DO PIRAI – VOLTA REDONDA
PARÓQUIA SANTO ANTÔNIO DE PÁDUA – BARRA MANSA R/J
ASSESSOR: PADRE RAPHAEL GUIMARÃES DUQUE
DATA: 06 DE OUTUBRO DE 2014
HORÁRIO: 19:30Hs – 21:00Hs
LOCAL: IGREJA PAROQUIAL,
BAIRRO SAUDADE


quinta-feira, 2 de outubro de 2014

FESTA DO PADROEIRO SÃO FRANCISCO DE ASSIS 2014

FORMAÇÃO PAROQUIAL PARA MINISTROS EXTRAORDINÁRIO DA PALAVRA

FORMAÇÃO PAROQUIAL PARA MINISTROS EXTRAORDINÁRIO DA PALAVRA
DIOCESE DE BARRA DO PIRAI – VOLTA REDONDA
PARÓQUIA SANTO ANTÔNIO DE PÁDUA – BARRA MANSA R/J
9°. ENCONTRO, TEMA: OS QUATRO EVANGELHOS PARTE II
ASSESSOR: Prof. LUIZ RÔMULO SALOTO
DATA: 29 DE SETEMBRO DE 2014
HORÁRIO: 19:30Hs – 21:00Hs
LOCAL: IGREJA PAROQUIAL,

BAIRRO SAUDADE

FESTA DO PADROEIRO SÃO FRANCISCO DE ASSIS - 1.º DIA











ROTEIRO HOMILÉTICO DO 27° DOMINGO DO TEMPO COMUM – ANO A – 05.10.2014 – VERDE

ROTEIRO HOMILÉTICO DO 27° DOMINGO DO TEMPO COMUM – ANO A – 05.10.2014 – VERDE

Comum 1427: A Vinha do Senhor...

Estamos no mês de Outubro, dedicado ao ROSÁRIO
e às MISSÕES, com o tema: "MISSÃO para libertar".
                                                                                                                
A Liturgia continua o tema da VINHA,
que representa Israel, o povo eleito,
precursor da Igreja, o novo Povo de Deus.

Na 1ª Leitura, Isaías, com o "Cântico da Vinha",
narra a História do amor de Deus e a infidelidade do seu Povo. (Is 5,1-7)

É um lindo poema composto pelo profeta,
talvez a partir de uma canção de vindima.
Através do profeta (o trovador), Deus (o Amigo) julga seu povo (a vinha), descrevendo o amor de Deus e a resposta do Povo.

- Um agricultor escolheu o terreno mais adequado,
  escolheu cepas da melhor qualidade, tomou todos os cuidados necessários.
- O sonho dele era a colheita dos FRUTOS do seu trabalho...
- Mas a decepção foi grande: só deu uvas azedas...
  "Que mais poderia eu ter feito por minha vinha e não fiz?"
- Reação: Seu amor se transforma em ódio: derruba o muro de proteção,
  permite que os transeuntes a pisem livremente e que o inço tome conta...

* Os Frutos, que o Senhor esperava, eram "o direito e a justiça",
   respeito pelos Mandamentos e fidelidade à Aliança.
   Ao invés, viu "sangue derramado" e "gritos de horror":
   infidelidade, injustiça, corrupção, violência...
   Muitas manifestações religiosas solenes, sem uma verdadeira adesão a Deus.
   Daí o castigo de Deus: a invasão dos assírios e depois dos babilônios,
   que destruíram a vinha e deportaram os israelitas como escravos.
* Hoje há ainda "sangue derramado" e Gritos de horror"?

Na 2ª Leitura, Paulo apresenta virtudes concretas,
que os cristãos devem cultivar na própria Vinha.
São esses os frutos que Deus espera da sua "Vinha". (Fl 4,6-9)

No Evangelho, Jesus retoma e desenvolve o poema da VINHA. (Mt 21,33-43)

- Um Senhor planta uma vinha com todo o cuidado e tecnologia necessária e
  a confia a uns vinhateiros, conhecedores da profissão.
- Chega o tempo da vindima, manda buscar a colheita e vem a surpresa.
  Não entregam os frutos e maltratam os enviados...
  Não respeitam nem o próprio filho do dono. Chegam a matá-lo.
- A "Vinha" não será destruída, mas os trabalhadores serão substituídos...

* A parábola é uma releitura da História da Salvação:
ilustra a recusa de ISRAEL ao projeto de salvação de Deus.
- A Vinha é o Povo de Deus (Israel).
- O Dono é Deus, que manifestou muito amor pela sua vinha.
- Os vinhateiros são os líderes do povo judeu...
- Os enviados são os profetas... o próprio Cristo "morto fora da vinha".

- Resultado: A "vinha" será retirada e confiada a outros trabalhadores,
  que ofereçam ao "Senhor" os frutos devidos e acolham o "Filho" enviado.
- Reação do Povo: tentam prender Jesus,
  pois percebem que a Parábola se refere a eles...

+ Quem são esses "outros", aos quais é entregue a Vinha?
Somos todos nós, membros do novo Povo de Deus, a Igreja,
que tem a missão de produzir seus frutos,
para não frustrar as esperanças do Senhor na hora da colheita.
- Que tipo de frutos está faltando?

Os homens do tempo de Isaías e também de Jesus eram muito piedosos,
zelosos nas práticas religiosas, no respeito do sábado...
Mas não foi da falta disso que Deus se queixou...

- Isaías resume a queixa de Deus nas palavras do dono da vinha:
  "Esperei deles justiça, e houve sangue derramado;
  esperei retidão de conduta e o que ouço são os gritos de socorro
  de gente que foi explorada e maltratada..."

* Será que isso acontecia só no passado?

Ainda hoje devemos testemunhar diante do mundo,
em gestos de amor, de acolhimento, de compreensão, de misericórdia,
de partilha, de serviço, a realidade do Reino, que Jesus veio propor.
Não podemos reduzir tudo a apenas umas práticas religiosas?

+ Os guardas da vinha quiseram até se transformar em "Donos"...

   * Esse perigo não pode estar presente ainda hoje em nossas comunidades?
      Não somos "donos", mas apenas administradores...

+ Deus nunca desiste de sua obra de amor e salvação!
   Uma Verdade consoladora, mas também um Alerta:
   Diante do fracasso com alguns... Deus não desiste...
   Mas Ele recomeça com outros...
   - Será que Deus está satisfeito dos frutos que estamos produzindo? 

 + Missão para libertar!...
A Campanha Missionária desse ano concentra sua ação evangelizadora
dentro da realidade do tráfico humano, propondo-nos o tema:
"Missão para Libertar", e o lema: "Enviou-me para anunciar a libertação".
Hoje as vítimas do trafico humano representam a escravidão moderna.
Missão para libertar surge hoje como um grande desafio.
Está no centro da mensagem cristã e denuncia toda prática perversa
de exploração, em que os seres humanos são tratados como mercadoria.


                                   Pe. Antônio Geraldo Dalla Costa - 05.10.2014